A Força Aérea Brasileira disponibilizou duas aeronaves C-130 Hércules, equipadas com o sistema MAFFS (Modular Airbone Fire Fighting System), compressores, piscinas para o abastecimento de água e equipamentos de manutenção, para ajudar o Chile a combater um gigantesco incêndio, que já é considerado o pior da história desse país. A corporación Nacional Florestal divulgou ao meio-dia do último sábado (28) que haviam 11 mortes confirmadas e aproximadamente 110 incêndios florestais ativos que queimavam uma área de mais de 370 mil hectares, equivalente à 37 mil campos de futebol.

As aeronaves, que integram o Primeiro Grupo de Transporte de Tropa (1º GTT), decolaram na manhã do último domingo (29) do Rio de Janeiro em direção à Santiago, onde a tripulação recebeu as orientações da Oficina Nacional de Emergencia del Ministerio del Interior e da Corporación Nacional Florestal, as quais são responsáveis por toda a coordenação de ajuda internacional e logística das operações. A ajuda foi oferecida pelo governo brasileiro e os ministérios da Defesa e de Relações Exteriores coordenaram a ação juntamente com o Comando da Aeronáutica.

C-130 FAB. Divulgação.

O sistema MAFFS consiste em cinco tanques de água com dois tubos que se projetam pela porta traseira do Hércules. O ataque ao incêndio é feito a uma altitude média de 150ft (aproximadamente 46 metros) sobre áreas críticas pré-determinadas. Todas as equipes de brigadistas em solo devem evacuar a área por segurança antes da dispersão de água. O lançamento pode ser feito de uma só vez ou em três partes e a carga pode chegar a até 12 mil litros.

Mais de 11.000 pessoas, incluindo bombeiros, voluntários, militares, policiais, funcionários públicos e vizinhos atuam bravamente no enfrentamento das chamas. Também estão lá cerca de 500 brigadistas estrangeiros, vindos do Panamá, Argentina, Venezuela, Brasil e Estados Unidos.

O trabalho vem sendo muito difícil devido às condições meteorológicas de vento forte e temperatura alta. A cidade de Santa Olga, que se localiza no Centro-Sul do país, foi completamente destruída pelas labaredas. Autoridades dizem ter certeza que algumas pessoas foram responsáveis pelos focos iniciais de incêndio, e que estes atos foram intencionais. A polícia chilena já prendeu mais de 40 pessoas nas regiões de O’Higgins, Maule e Biobío e a justiça local já apresentou acusações contra essas pessoas por provocar incêndios, as penas podem chegar a até 20 anos de reclusão. A presidente Michelle Bachelet disse que essa é a maior catástrofe da história do país provocada por incêndios.

(60)